Pressione "Enter" para ir para o conteúdo

Pronunciamento de S.S. o Patriarca Bartolomeu na Conferência Mundial sobre Refugiados e Migrantes, na sede do CMI, em Genebra.

DISCURSO DE SUA SANTIDADE O PATRIARCA ECUMÊNICO BARTOLOMEU NA CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE REFUGIADOS E MIGRANTES, REALIZADO NA TERÇA-FEIRA, 12 DE DEZEMBRO DE 2023, NA SEDE DO CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS, EM GENEBRA.

Ilustres amigos e conferencistas,
Amados organizadores e participantes,

Celebrando o 75º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas, é um privilégio especial assistir e dirigir-me a esta assembleia de líderes religiosos, cidadãos devotos e pessoas de boa vontade, na nossa preocupação partilhada e no objetivo orante de considerar formas de responder aos desafios urgentes num mundo onde a incerteza parece ser a única realidade segura enfrentada por tantos dos nossos irmãos e irmãs em todo o planeta.

As alterações climáticas e a crise dos refugiados já não são uma possibilidade externa ou remota, muito distante da nossa atenção e responsabilidade quotidianas. Eles estão afetando imediata e profundamente nossas vidas, nossos projetos e nossos estilos de vida. Não temos mais o falso luxo da ignorância ou da indiferença. Estamos agora empenhados a contribuir diretamente para o a solução de um problema.

Uma das lições que aprendemos durante a recente pandemia – embora de uma forma muito dolorosa e certamente involuntária – é que ninguém se salva sozinho; ninguém é salvo a menos que todos sejam salvos. As ameaças que o nosso mundo enfrenta atualmente só podem ser resolvidas e superadas em colaboração. E é aqui que o diálogo e a parceria das comunidades religiosas se revelam essenciais e vitais. Porque quer falemos da Covid-19, das alterações climáticas ou da situação dos refugiados, estamos certamente a lidar com desafios sem precedentes. É por isso que até nos referimos a elas como crises, que é um termo grego que significa um pronunciamento de “julgamento” – precisamente porque somos medidos pela forma como respondemos a estas circunstâncias, na medida em que são pontos de viragem ou fenômenos que moldam definitivamente a nossas vidas. Na verdade, embora o coronavírus possa estar relacionado com a medicina, a poluição com a ciência e a imigração com a política, a forma como respondemos e escolhemos resolver estes desafios é precisamente onde a fé e a religião devem estar envolvidas.

Como sabem, ao longo do nosso ministério ao longo das últimas décadas, sublinhamos repetidamente que – como a questão distintiva e definidora do nosso tempo – o aquecimento global tornou-se a maior ameaça ao nosso planeta e à sua população. O número crescente, mas negligenciado, do aumento das temperaturas globais irá, sem dúvida e inegavelmente, eclipsar o atual número de mortes causadas por todas as doenças infecciosas combinadas, se as alterações climáticas não forem restringidas. A sustentabilidade ambiental só será alcançada através de mudanças drásticas no estilo de vida que devemos fazer.

É por isso que temos sublinhado persistente e consistentemente que as alterações climáticas constituem principalmente uma questão espiritual e ética – não apenas um problema governamental ou tecnológico, como se fosse apenas um de uma longa lista de dilemas que confrontam os políticos em particular e a população em geral.

O que os líderes religiosos devem sempre lembrar e, consequentemente, lembrar aos líderes civis é que não há forma de manipular incessantemente o nosso meio ambiente e os seus recursos sem custos ou consequências – materiais e humanas. Estamos – como sabemos muito bem hoje – e como os místicos têm ensinado muito claramente ao longo dos tempos – íntima e inseparavelmente ligados à história, ao presente e ao destino do nosso mundo.

No entanto, para apreciarmos tal visão de mundo – que é, em última análise, uma visão de um mundo fugaz e simples, de gratidão e generosidade – devemos reconhecer o mundo como maior do que nós e os nossos interesses. Em outras palavras, devemos adotar um espírito de honestidade e humildade. Devemos estar preparados para analisar opções e soluções que nos afetam pessoalmente e não apenas a outras pessoas. Infelizmente, muitas vezes estamos convencidos de que resolver a crise ecológica é uma questão de agir de forma diferente ou de viver de forma mais sustentável. Mas nunca devemos esquecer que foram as nossas próprias opções e ações que nos levaram a esta confusão em primeiro lugar.

Paradoxalmente, então, a resposta pode estar não tanto em fazer algo , mas em não fazer nada ; o que nos leva à importância do silêncio e da meditação.

Primeiro, devemos parar o que estamos fazendo e refletir.; aprender a ouvir e a compreender como chegamos a esta crise; aceitar o nosso pecado para com o planeta e para com os seres humanos para que possamos reconhecer a necessidade de arrependimento – o que envolve uma mudança literal e radical de mente, coração e comportamento. Este não é o caminho dos Profetas? Este não é o caminho dos místicos? Este não é o caminho daqueles que percebem que “do Senhor é a terra e toda a sua plenitude” (Sl 24.1).

E é por isso que o nosso momento de silêncio é a ação mais adequada nesta lugar. Peçamos, portanto, a Deus que seja misericordioso e compassivo para conosco e para com o Seu povo, especialmente para com os necessitados e deslocados. Imaginemos um mundo onde a paz e a justiça prevaleçam, onde a violência e a discriminação sejam dissipadas, onde os direitos humanos e a dignidade humana sejam eficazmente protegidos. E abramos os nossos corações à solidariedade com os refugiados, bem como ao respeito e à proteção do dom único da criação de Deus que somos chamados a transmitir aos nossos filhos.

Compartilhar

Seja o Primeiro a Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *