Press "Enter" to skip to content

PRONUNCIAMENTO DE SUA SANTIDADE BARTOLOMEU, PATRIARCA ECUMÊNICO

No Bahrein Forum for Dialogue: East and West for Human Coexistence (3 a 5 de novembro de 2022)

O Patriarca Ecumênico Bartolomeu participou do Fórum do Bahrein para o Diálogo “Oriente e Ocidente para a Coexistência Humana”, que ocorreu de 3 a 5 de novembro de 2022 no Reino do Bahrein e que contou com a presença de muitas figuras intelectuais eminentes e representantes de religiões de diferentes países.

Ilustres Convidados, Ilustres Participantes, Senhoras e Senhores, Caros Amigos,

É uma honra ser convidado para falar nesta conferência crucial, “Fórum Bahrein para o Diálogo: Oriente e Ocidente para a Coexistência Humana”, que busca destacar a importância do diálogo inter-religioso e da compreensão entre diferentes culturas e diversas civilizações, na esteira da a reunião de Abu Dhabi em 2019. Parabenizamos de todo o coração os organizadores por terem a coragem e a visão de perseguir esta iniciativa essencial na promoção desta missão abençoada.

O cristianismo ortodoxo tem uma longa experiência de convivência com outras religiões e denominações. No entanto, essa experiência nem sempre se mostrou pacífica ou descomplicada, especialmente quando moldada pela ascensão do nacionalismo na segunda metade do século XIX, o choque de forças geopolíticas globais ao longo do XX e a ascensão do fundamentalismo religioso no século XX e início do século XXI. Uma série de eventos históricos redefiniu o cenário religioso mundial, moldando a relação da Ortodoxia com um pluralismo de religiões e reavaliando seu papel no cenário global. Neste contexto, o Santo e Grande Concílio da Igreja Ortodoxa, convocado na ilha de Creta (junho de 2016) assume grande significado: “O diálogo inter-religioso honesto contribui para o desenvolvimento da confiança mútua e para a promoção da paz e da reconciliação. A Igreja se esforça para tornar a ‘paz do alto’ mais tangivelmente sentida na terra. A verdadeira paz não se alcança com a força das armas, mas apenas com o amor que «não busca os seus interesses» (1 Cor 13, 5). O óleo da fé deve ser usado para acalmar e curar as feridas dos outros, não para reacender novas chamas de ódio”. ( Encíclica , par. 17)

Neste sentido, o encontro e o diálogo requerem empenho e determinação tanto a nível individual como comunitário. Todo diálogo é pessoal, pois envolve a interação de pessoas únicas e insubstituíveis, cuja personalidade está intimamente ligada às suas particularidades sociais, culturais e religiosas inigualáveis. A oposição ao diálogo ecumênico ou inter-religioso geralmente vem do medo e ignorância ou intolerância à diversidade religiosa. Ao contrário, o diálogo inter-religioso autêntico e sincero reconhece as diferenças entre as tradições religiosas e promove a coexistência pacífica e a cooperação entre os povos e as culturas. Isso não significa negar a própria fé, mas adaptar e enriquecer a própria identidade e autoconsciência na perspectiva da abertura aos outros. Também pode curar e dissipar preconceitos e contribuir para a compreensão mútua e a resolução pacífica de conflitos.

O viés e o preconceito estão enraizados na deturpação do outro – e é exatamente por isso que o diálogo é essencial, porque pode dissipar a desconfiança e a suspeita; encontro e diálogo só são eficazes se realizados em um espírito de inclusão, confiança e respeito. Através do diálogo, confirmamos que todos nós compartilhamos o mesmo mundo. Através do diálogo, definimos nossa prontidão para abraçar a diferença. Esse espírito é capturado de forma concisa por um documento recente aprovado por nosso Patriarcado Ecumênico e intitulado Pela Vida do Mundo: Rumo a um Ethos Social da Igreja Ortodoxa (2020). Ali, no parágrafo 55, lemos: “Sabendo que Deus se revela de inúmeras maneiras e com uma inventividade sem limites, a Igreja entra em diálogo com outras religiões dispostas a se maravilhar e se deliciar com a variedade e a beleza das generosas manifestações de Deus da bondade divina, graça e sabedoria entre todos os povos”.

Esta é a riqueza espiritual do que chamamos de “diálogo da vida”. Para os cristãos ortodoxos, os encontros inter-religiosos e a convivência diária com pessoas de diferentes tradições religiosas são e continuarão a ser um meio importante para experimentar o valor intrínseco do pluralismo cultural.

Estimados participantes, queridas irmãs e irmãos,

O Patriarcado Ecumênico pretende dar o exemplo, demonstrando como os líderes religiosos devem sustentar e promover a coexistência pacífica, a justiça e a equidade. O cristianismo ortodoxo encontrou nos esforços humanitários comuns uma expressão genuína do poder da fé para promover a coexistência, superar crises e apoiar uma ética de inclusão, um ethos de solidariedade. Estamos há décadas na vanguarda da organização e do apoio às conferências inter-religiosas, conscientes de que o diálogo sincero pode confrontar a intolerância e a violência, evitando ao mesmo tempo o abuso da religião por fundamentalistas e fanáticos.

Como ministros da fé, precisamos sempre construir pontes. Por mais de trinta anos de nosso mandato como Patriarca Ecumênico, esses são os princípios que valorizamos não apenas para nossa própria Igreja e o Cristianismo em geral, mas para todas as religiões e a humanidade em geral.

✠ BARTOLOMEU de Constantinopla

Compartilhar

Be First to Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *