«Esforcemo-nos por progredir até à caridade de Deus»

É o preceito do próprio Salvador que nos convida a esta semelhança com o Pai: «Sede perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito». Nos graus inferiores, o amor do bem interrompe-se quando a tibieza, o contentamento ou o prazer vêm deter o vigor da alma e a fazem perder de vista o temor do inferno ou o desejo de felicidade futura. Eles constituem, apesar de tudo, como que degraus de progresso, de aprendizagem.

Tendo, a princípio, evitado o vício por medo do castigo ou pela esperança da recompensa, torna-se-nos impossível passar para o nível da caridade: «No amor não há temor; pelo contrário, o perfeito amor lança fora o temor. De fato, o temor pressupõe castigo e quem teme não é perfeito no amor. Nós amamos porque Deus nos amou primeiro» (1Jo 4,18-19). Não há outro caminho para nos elevarmos à perfeição verdadeira: assim como Deus nos amou primeiro, considerando apenas a nossa salvação, assim devemos nós amá-lo unicamente por seu amor.

Esforcemo-nos, pois, com todo o ardor, por subir do temor à esperança, da esperança à caridade de Deus e ao amor das virtudes. Emigremos em direção à afeição do bem pelo bem, e a ele permaneçamos imutavelmente apegados, tanto quanto é possível à natureza humana.


São João Cassiano (c. 360-435)
«Sobre a perfeição», cap. VII; SC 54
Fonte: Evangelho Cotidiano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *