«EIS O CORDEIRO DE DEUS»

«[João], ao ver Jesus, que se dirigia para ele, exclamou: ‘Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!’» (Jo 1,29). Já não é tempo de dizer: «Preparai o caminho do Senhor» (Mt 3,3), uma vez que Aquele para Quem o caminho estava a ser preparado Se deixa ver: de agora em diante, Ele oferece-Se ao nosso olhar. A natureza do acontecimento pede outra expressão; é preciso dar a conhecer Aquele que já lá está, explicar porque é que Ele desceu dos céus e veio até nós. É por isso que João declara: «Eis o Cordeiro de Deus».

O profeta Isaías já no-Lo tinha anunciado, ao dizer que Ele era «como um cordeiro que é levado ao matadouro,  ou como uma ovelha emudecida nas mãos do tosquiador» (Is 53,7). A lei de Moisés tinha-O prefigurado, mas […] só previa uma salvação incompleta e a Sua misericórdia não se estendia a todos os homens. Ora, hoje, o verdadeiro Cordeiro, representado outrora pelos símbolos, a vítima sem culpa, é levada ao matadouro.

Foi para banir o pecado do mundo, expulsar o Exterminador da terra, destruir a morte, morrendo por todos, quebrar a maldição que nos afligia e pôr fim a estas palavras: «Tu és pó e ao pó voltarás» (Gn 3,19). Tornando-Se assim o segundo Adão, de origem celeste e não terrestre (cf. 1Co 15,47), Ele é a fonte de todo o bem para a humanidade […], o caminho que leva ao Reino dos céus. Pois um só Cordeiro morreu por todos, recuperando para Deus Pai todos os rebanhos que vivem na terra. «Um só morreu por todos» para a todos submeter a Deus; «um só morreu por todos» para ganhar a todos, para que, desde então, todos «os que vivem, não vivam mais para si mesmos, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou» (2Co 5,14-15).


Ele é único, este Cordeiro que morreu por todos, que vela por todo o rebanho dos homens por seu Deus e seu Pai, um só para todos, a fim de a todos submeter a Deus, um só para todos, a fim de a todos ganhar (cf Rom 5,18), a fim de que todos «não vivam mais para si mesmos, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou» (2Cor 5,15). Com efeito, quando estávamos mergulhados em numerosos pecados e consequentemente sujeitos à morte e a uma natureza perecível, o Pai deu o seu Filho como nossa redenção, só Ele por todos, porque tudo está nele e Ele é melhor que todos. «Ele morreu por todos» (ibid.), para que vivamos nele.

Com efeito, assim como a morte apanhou o Cordeiro imolado por todos, assim também nos soltou a todos nele e com Ele. Porque todos nós estávamos em Cristo, que morreu e ressuscitou por causa de nós e por nós; na verdade, abolido o pecado, não era possível que a morte, que tem origem no pecado, não fosse abolida com ele. Morta a raiz, o fruto não podia ser conservado. Morto o pecado, deixamos de ter razão para morrer. É por isso que podemos dizer com alegria a propósito da condenação à morte do Cordeiro de Deus: «Onde está, ó morte, a tua vitória?» (1Cor 15,55)

São Cirilo de Alexandria (380-444),
Comentário sobre o Evangelho de João
Fonte: Evangelho Cotidiano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *