André nasceu em Damasco, em meados do século VII. Apesar da eloqüência que possuía na sua idade madura, conta-se que até o momento da sua primeira comunhão, que recebeu aos sete anos, quase não falava. Aos quinze anos de idade, mudou-se para Jerusalém, razão pela qual recebe, algumas vezes, o título de Santo André de Jerusalém. Nesta cidade se tornou monge no Monastério de São Savas, e no Monastério do Santo sepulcro recebeu as ordens menores do leitorado e do subdiaconato. No ano 685, o Patriarca de Jerusalém, Theodoro, o enviou à Constantinopla para reiterar a adesão de sua Igreja ao Sexto Concílio Ecumênico da Igreja que acabava de condenar a heresia monotelita. Santo André ficou em Constantinopla e lá foi ordenado diácono da Grande Basílica, recebendo também o encargo de cuidar de um orfanato e de um asilo para os idosos. Pouco tempo depois, devido às suas qualidades de caráter e suas habilidades, foi eleito arcebispo de Gortina, sede metropolitana de Creta. Ali se deixou envolver na última onda monotelista.

No ano 711, Filípico Bardanes apoderou-se do trono imperial, mandou queimar as Atas do Sexto Concílio Ecumênico, restabeleceu nos dípticos litúrgicos os nomes que o Concílio havia anatematizado, reunindo um sínodo para ratificar suas ações. André participou deste sínodo que aconteceu no ano 712, mas já no ano seguinte se arrependeu do que fez e assinou, sem hesitação, a carta de desculpa que seu Patriarca escreveu ao Papa Constantino, depois que Anastásio II recuperou o trono imperial, colocando para fora seu usurpador Bardanes.

Santo André se destacou pelo resto de sua vida como um grande pregador e compositor de hinos sacros. São conservados até hoje mais de vinte de seus sermões que têm sido publicados ao longo dos séculos. Seus hinos influenciaram de forma definitiva a liturgia bizantina. Segundo se afirma, foi Santo André quem introduziu a forma hinódica chamada «cânone». Em todo caso, é indubitável que ele escreveu muitos hinos, neste e em outros ritmos parecidos; alguns deles são cantados ainda em nossos dias.

Santo André morreu num barco, no ano 740, quando regressava de uma viagem que fez à Constantinopla, sendo sepultado na Igreja de Santa Anastásia em Edesó, uma cidade de Mitilini.

Tradução e publicação neste site
com permissão de Ortodoxia.org
Trad.: Pe. André

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager