Chama-se São Máximo, «O CONFESSOR» em razão de seus trabalhos e sofrimentos que padeceu pela fé cristã.  Máximo foi um dos mais destacados teólogos do século VII, verdadeira coluna e  luminar da Ortodoxia contra a heresia monotelita. Nasceu no ano 580 em Constantinopla. Ainda jovem entrou para o serviço da corte chegando a ser o principal dos secretários do imperador Heracleo. Porém, depois de algum tempo, renunciou ao cargo (provavelmente porque o imperador defendesse certas opiniões heréticas), e tomou o hábito monacal em Crisópolis (atual Skutari). Ali escreveu algumas de suas obras de mística e foi eleito abade. No ano 638 morreu São Sofrônio, Patriarca de Jerusalém, a quem Máximo tinha como seu mestre, pai e professor. Máximo então se converteu no grande defensor da Ortodoxia contra o monotelismo do imperador Heracleo, e também do seu sucessor, Constante II.

São Máximo, grande confessor da fé e notável autor místico, morreu aos oitenta e dois anos. Deixou muitos escritos, alguns comentários alegóricos sobre a Sagrada Escritura e sobre as obras de Dionisio Areopagita, um diálogo entre dois monges acerca da vida espiritual e a «Mystagogia» que é uma explanação sobre os símbolos da liturgia.

Tradução e publicação neste site
com permissão de:
Ortodoxia.org
Trad.: Pe. André

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager