São Bento nasceu no ano 480, no ducado de Espoleto, próximo à cidade de Núrsia, Itália. Deus o predestinou a ser o precursor e pai de um grande número de santos. Desde menino, Deus o conduziu à solidão onde viveu por três anos, desconhecido de todos os homens, exceto de um monge chamado Romano que lhe levava um pouco de pão. Mesmo tendo o cuidado para manter-se escondido, a fama de sua santidade espalhou-se e em pouco tempo tornando-o conhecido entre os monges que desejavam fazê-lo seu abade. Bento resistiu por muito tempo em aceitar tal função, pois dizia que sua maneira de viver não se ajustava àquele cargo. Por fim, deu-se por vencido e se encarregou do governo do monastério. Contudo, muitos se arrependeram de tê-lo eleito seu superior. Descontentes por sua rigidez tentaram tirar-lhe a vida, colocando veneno em sua bebida. Quando o abade Bento abençoou aquela bebida, a taça se despedaçou e ele então compreendeu qual era a intenção. Reuniu todos os monges e declarou que lhes perdoava por aquele delito; renunciou ao cargo de abade e voltou a viver na solidão. Não passou muito tempo e a fama de sua santidade e de seus milagres se espalhou por toda a parte. Muitos se sentiam atraídos e tinham o desejo de serem dirigidos por ele. Bento fundou 12 monastérios com 12 monges em cada um, sendo um o superior. Profetizou o dia de sua morte e, seis dias antes, iniciou a preparação de sua sepultura. Naquele dia predito uma febre alta o tomou aumentando a cada dia. No dia de sua morte foi levado à Igreja por seus discípulos onde recebeu o corpo e o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Depois disso levantou os olhos e as mãos para o céu entregando a sua alma nas mãos do Criador. Era o mês março de 543 e ele estava então com 62 anos.

Tradução e publicação neste site
com permissão de
www.ortodoxia.org
Trad.: Pe. Pavlos Tamanini

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager