Santa Ágata nasceu em Palermo, na Sicilia, na época do imperador Décio (251). Nascida em família cristã, de boa situação econômica, a menina cresceu sendo educada nas virtudes cristãs. Desde criança demonstrou inteligência e era considerada uma das mulheres mais belas de sua época. Porém, era mais destacada ainda por sua vida virtuosa. Desde menina fez votos de virgindade e de não ter outro esposo senão Nosso Senhor Jesus Cristo. Muitos cavalheiros nobres que admiravam sua beleza, pediam-na em casamento. Encontrando-se Ágata em Catânia, Quinciano, governador da Cicília, ouviu falar de suas qualidades e de sua intenção de se tornar serva de Cristo; quis vê-la e tomá-la por esposa, a ponto de ir pessoalmente ao seu encontro. Vendo-se perseguida, Ágata orou fervorosamente e, terminando a oração, levantou-se animada, partindo para Catânia. O governador Quinciano ordenou que fosse entregue a Afrodisia, mulher perversa que com suas seis filhas mantinha uma casa de má fama. Nesse lugar, Ágata sofreu varias tentativas contra sua honra, o que para ela foi mais terrível que os tormentos ou a morte, mas se manteve firme. Depois de um mês, Quinciano a assustava com ameaças, mas ela permanecia firme e declarava que “ser serva de Cristo, na verdade era ser livre”. O juiz descontente com suas respostas, ordenou que fosse presa e açoitada. No dia seguinte, Ágata novamente foi interrogada por Quinciano: “Como, tendo nascida livre e em uma casa tão ilustre, te conformas com a miserável condição de ser escrava?” Ágata respondeu: “Se ser serva de Deus é ser escrava, faço nobre esta escravidão porque não conheço nem maior e nem mais verdadeira nobreza que a de servir a este Senhor”.

O governador então insistiu que ela oferecesse sacrifícios aos deuses do império, dizendo que se não o fizesse espontaneamente, faria pela força e rigor dos tormentos. Como mantivesse a firmeza da fé, foi submetida a cruéis torturas: desconjuntamento dos ossos, dilaceramento dos seios. Foi arrastada por sobre cacos de vidros e carvões em brasa. Porém, nem as ameaças, nem as promessas a fizeram sucumbir, já que, para ela, aqueles ídolos nada significavam. Ao ver que tudo sofria com serenidade, o governador ficou ainda mais enfurecido e ordenou que fosse levada à prisão sem alimento nem cuidados médicos. Deus, porém, a confortava; apareceu-lhe São Pedro em uma visão que iluminou com uma luz celestial todo o calabouço, consolando-a e sarando seus ferimentos. Na prisão, Ágata dirigiu ao Senhor a seguinte oração: “Deus poderoso e eterno, que por puro afeto e misericórdia quiseste tomar sob tua proteção esta humilde serva, e que desde cedo preservaste do amor do mundo para que meu coração ardesse unicamente em teu amor: meu Salvador Jesus Cristo, que quiseste conservar em meio a tantos tormentos, para maior gloria de teu nome e para a confusão do poder das trevas, digna-te  receber minha alma em tua eterna morada, a dos bem-aventurados; esta é a última graça que te peço e que espero de tua infinita bondade. Sua morte aconteceu dia 05 de fevereiro de 251  sendo sepultada em Catânia com toda veneração, à altura de tão ilustre martírio.

Tradução e publicação neste site
com permissão de: Ortodoxia.org
Trad.: Pe. Pavlos

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager