São Pedro pertencia a uma antiga e ilustre família. O nome de seus antepassados ficou no esquecimento, enquanto que a memória deste santo que seus pais deram à Igreja foi imortalizada nos anais da fé. Três membros desta família foram santos e bispos: São Basílio, São Gregório de Nissa e São Pedro de Sebaste. Sua irmã mais velha, Santa Macrina, foi mãe espiritual de muitos santos e grandes doutores. Seus pais, São Basílio, o Velho, e Santa Emélia foram desterrados por causa da fé no tempo do imperador Valério Maximiano, e fugiram ao deserto do Ponto. A avó de nosso santo foi a célebre Santa Macrina a quem São Gregório instruiu na fé. Pedro era o mais jovem dos dez filhos e perdeu seu pai antes ainda de começar a dar os primeiros passos. Assim, sua irmã, Macrina, teve de encarregar-se de sua educação. Macrina ocupou-se de instruí-lo, sobretudo, na religião. Os estudos profanos interessavam muito pouco a quem tinha os olhos fixos no céu. Pedro, que aspirava a vida monástica, nenhuma restrição viu nela. Sua mãe havia fundado dois monastérios, um masculino e outro feminino. O primeiro tinha confiado a direção ao seu filho Basílio e o segundo à Macrina. Pedro ingressou no monastério que era dirigido por seu irmão e que estava situado às margens do rio Íris. Quando São Basílio se viu obrigado a deixar seu cargo, no ano 362, nomeou Pedro como seu sucessor, quem desempenhou por muitos anos o ofício de superior, com grande prudência e virtude.

Quando eclodiu a fome nas províncias do Ponto e da Capadócia, Pedro mostrou a sua grande caridade. A prudência humana o teria aconselhado a não exagerar nas esmolas aos pobres, antes de ter garantido o sustento aos seus monges. Pedro havia aprendido em outra escola a caridade cristã e dispunha com liberalidade do que possuía o monastério para ajudar os necessitados que vinham diariamente durante a carestia bater no monastério. Ao ser nomeado bispo de Cesaréia, na Capadócia, São Basílio ordenou Pedro sacerdote. Basílio morreu em 1° de Janeiro e 379, e Macrina em novembro daquele mesmo ano. Eustásio, bispo de Sebaste na Armênia, que tinha sido ariano e perseguido São Basílio, parece ter morrido logo depois, já que Pedro foi nomeado bispo desta diocese em 380, para erradicar a heresia ariana. O demônio tinha se apoderado tão profundamente dessa região, quer o céu precisava de um santo para arrojá-lo fora.

São Pedro é contado entre os eclesiásticos, graças a uma carta incluída nos livros de São Gregório de Nissa contra Eunomius, pela qual demonstra que, se bem que São Pedro havia se dedicado exclusivamente aos estudos eclesiásticos, a sua leitura e seu talento natural em eloqüência não eram inferiores aos do seu irmão Basílio, nem as do seu colega, São Gregório Nazianzeno. Em 381 Pedro participou do Concílio Ecumênico de Constantinopla. Não apenas seu irmão, São Gregório de Nissa, mas Teodoreto e toda a antiguidade testemunham a sua santidade, prudência e zelo. Sua morte ocorreu por volta do ano 391, durante o verão. São Gregório de Nissa faz notar que Sebaste lhe honrou com uma solene celebração (provavelmente no ano seguinte ao de sua morte), juntamente com alguns outros mártires da mesma cidade.

Tradução e publicação neste site
com permissão de: Ortodoxia.org
Trad.: Pe. André

 

Tags:

 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager