Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Suplemento Litúrgico para os Domingos e Grandes Festas  
 
 
 

Domingo, 15 de Julho de 2018:

«Domingo dos Santos Padres
dos Sete Primeiros Concílios Ecumênicos»

(7º depois de Pentecostes - Modo 2º pl.)

Memória dos Santos Quíricos e sua mãe Julieta, mártires (séc. III-IV)

No domingo que cai entre 13 e 19 deste mês de Julho, o calendário litúrgico ortodoxo comemora os santos Padres que se reuniram nos Sete Concílios Ecumênicos, ou seja: Primeiro: dos 318 Padres que se reuniam em Niceia, em 325, para condenar Ário que negou que o Filho de Deus é consubstancial ao Pai; os Padres deste Concílio também ordenaram que toda a Igreja celebrasse a Páscoa de acordo com o mesmo cálculo/calendário, seguido até os dias atuais pela Igreja Ortodoxa. Segundo: dos 150 Padres que se reuniram em Constantinopla, em 381, para condenar Macedônio, Patriarca de Constantinopla, que negava a divindade do Espírito Santo. Terceiro: dos 200 Padres que se reuniram em Éfeso, em 431, para condenar Nestório, patriarca de Constantinopla, que considerava Jesus Cristo um mero homem e não Deus encarnado. Quarto: do 630 Padres que se reuniram em Calcedônia, em 451, para condenar Eutyches, que ensinou que em Cristo, depois da Encarnação, havia apenas uma natureza, a divina; e Dióscoro, patriarca de Alexandria, que havia recebido Eutyches de volta à comunhão e deposto São Flaviano, Patriarca de Constantinopla, autor da excomunhão de Eutyches. Quinto: em 553, dos 165 Padres que se reuniram em Constantinopla pela segunda vez para condenar Orígenes e Teodoro de Mopsuéstia, mestre de Nestório. Sexto: em 680, dos 170 Padres que se reuniram em Constantinopla, pela terceira vez, para condenar a heresia Monotelita, que ensinou que há em Cristo uma só vontade, a divina. Sétimo: em 787, dos 350 Padres que se reuniram em Niceia, pela segunda vez, para condenar a iconoclastia.

Matinas

Evangelho

[Jo 20:1-10]

Evangelho de Jesus†Cristo, segundo o Evangelista São João.

aquele tempo, no primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro. Correu, pois, e foi a Simão Pedro, e ao outro discípulo, a quem Jesus amava, e disse-lhes: Levaram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram. Então Pedro saiu com o outro discípulo, e foram ao sepulcro. E os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais apressadamente do que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro. E, abaixando-se, viu no chão os lençóis; todavia não entrou. Chegou, pois, Simão Pedro, que o seguia, e entrou no sepulcro, e viu no chão os lençóis, e que o lenço, que tinha estado sobre a sua cabeça, não estava com os lençóis, mas enrolado num lugar à parte. Então entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu, e creu. Porque ainda não sabiam a Escritura, que era necessário que ressuscitasse dentre os mortos. Tornaram, pois, os discípulos para casa.

Divina Liturgia

Apolitikion da Ressurreição (Modo 2º pl.)

Enquanto Maria estava diante do sepulcro 
à procura de teu imaculado Corpo, 
os Anjos apareceram em teu túmulo 
e as sentinelas desfaleceram. 
Sem ser vencido pela morte 
submeteste ao teu domínio o reino dos mortos, 
e vieste ao encontro da Virgem, revelando a vida. 
Senhor, que ressurgiste dos mortos, glória a Ti!

Kondakion da Festa (Pl. Modo 4°)

Tu és bendito, ó Cristo, nosso Deus,
que estabeleceste nossos Padres como luminares sobre a terra,
e, através deles, conduziste-nos a todos à verdadeira Fé. 
O compassivo, glória a ti!

Hino à Mãe de Deus

Ó Admirável e Protetora dos cristãos
e nossa Medianeira do Criador
não desprezes as súplicas de nenhum de nós pecadores,
mas apressa-te em auxiliar-nos como Mãe bondosa que és,
pois te invocamos com fé:roga por nós junto de Deus,
tu que defendes sempre aqueles que te veneram.

Prokimenon (Modo 2º pl.)

Salva, Senhor, o teu povo
e abençoa a tua herança. (Sl 28, 9)

Clamo a Ti, Senhor, meu rochedo
presta ouvido aos meus rogos. (Sl 28, 1)

EPÍSTOLA

[Tt 3:8-15]

Epístola do Santo Apóstolo Paulo a Tito.

rmãos, fiel é a palavra, e isto quero que deveras afirmes, para que os que crêem em Deus procurem aplicar-se às boas obras; estas coisas são boas e proveitosas aos homens. Mas não entres em questões loucas, genealogias e contendas, e nos debates acerca da lei; porque são coisas inúteis e vãs. Ao homem hereje, depois de uma e outra admoestação, evita-o, Sabendo que esse tal está pervertido, e peca, estando já em si mesmo condenado. Quando te enviar Ártemas, ou Tíquico, procura vir ter comigo a Nicópolis; porque deliberei invernar ali. Acompanha com muito cuidado Zenas, doutor da lei, e Apolo, para que nada lhes falte. E os nossos aprendam também a aplicar-se às boas obras, nas coisas necessárias, para que não sejam infrutuosos. Saúdam-te todos os que estão comigo. Saúda tu os que nos amam na fé. A graça seja com vós todos. Amém.

Aleluia (Modo 2º pl.)

Aleluia, aleluia, aleluia!

Quem habita ao abrigo do Altíssimo
e vive à sombra do Senhor Onipotente. (Sl 91, 1)
Aleluia, aleluia, aleluia!

Diz ao Senhor: sois meu refúgio e proteção,
sois o meu Deus no qual confio inteiramente. (Sl 91, 2)
Aleluia, aleluia, aleluia!

Evangelho

[Mt 5:14-19]

Evangelho de Jesus†Cristo, segundo o Evangelista São Mateus.

aquele tempo, Jesus os ensinava, dizendo: Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus. Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim abrogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido. Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.

Kinonikon

Louvai o Senhor nos Céus,
louvai-O nas alturas.

Aleluia, aleluia, aleluia!

 

este domingo, a Igreja celebra os Santos Padres dos primeiros concílios Ecumênicos: 1) Nicéia (325); 2) Constantinopla (381); 3) Éfeso (431); 4) Calcedônia (451); 5) Constantinopla (553) 6) Constantinopla (681). «Nestes históricos encontros realizados pela Igreja, estão alicerçados os pilares da fé cristã sobre os quais estão edificadas as verdades incontestáveis da revelação de Deus». (Santo Atanásio)

A Igreja, que vive nos dias atuais enfrentando tantas adversidades, reporta-se constantemente às límpidas fontes das verdades promulgadas nos primeiros concílios, para permanecer fiel ao seu caráter de catolicidade e apostolicidade. Assim, mesmo que não seja compreendida pelo mundo, conservar-se-á pura sem correr riscos de se desviar da reta doutrina. Mesmo que o mundo lhe implore para que ela se adeqüe às exigências da modernidade, a intransigência será sua marca e salvação. A essência da verdade não é objeto de mudanças, pois assim sendo, deixa de ser essência. Logo não existe a verdade. Quando defendemos a verdade, naturalmente, queremos honrar a essência que dela foi gerada. Os Primeiros seis Concílios da Igreja revelaram ao mundo as verdades de nossa fé. Sobre estas verdades foram edificadas doutrinas, dogmas, conceitos, regras, orações, cânticos, Liturgias, Ofícios religiosos, etc. Por isso, a Igreja bebendo das águas puras e refrescantes da fonte de sua tradição continuará incólume , pois ela guarda um grande tesouro, mesmo que em vasos de argila.» (J. Danielou)

A importância dos primeiros sete concílios ecumênicos no Oriente Bizantino é tal que, por três vezes no ano, sempre em dia de Domingo, se celebram os Padres que fizeram ecoar no meio da Igreja a divina harmonia, proclamando as verdades da fé apostólica.

A Festa dos 350 Padres conciliares se reveste com a coroa da vitória sobre os iconoclastas que proibiram manifestações públicas da fé através dos ícones. Graças aos santos padres conciliares podemos nos aproximar dos ícones de Nosso Senhor e da Theotokos, venerando-os através deles, o Deus Uno e Trino que se fez carne e nos trouxe a salvação.

Sobre o Evangelho desta festa é nos apresentada uma rica história, iniciando assim o cortejo literário chamado parábolas. As parábolas pertencem ao gênero didático da Bíblia cuja intenção e finalidade é ensinar uma verdade religiosa. Próprias e exclusivas de Jesus de Nazaré, significam algo novo na literatura judaica, sem paralelos nos escritos anteriores ou posteriores à sua vinda. Elas são comparações ou imagens destinadas a ilustrar ou transmitir uma idéia, usando de alegorias para desvendar uma realidade premente. O propósito é induzir o ouvinte a admitir uma situação que ele a princípio não percebe como aplicável a si mesmo, mas que, após uma reflexão ou uma explicação mais minuciosa parece se encaixar com muita precisão.

Nos Evangelhos, encontramos dezenas de parábolas narradas pelo Senhor, cada uma relatando uma situação específica, donde se tira várias lições, usando-se de exemplos concretos do dia-a-dia das pessoas comuns.

Na Galiléia, havia muitos terrenos acidentados e cheios de colinas cuja área de plantio era muito restrita devido às suas irregularidades. O Senhor valendo-se deste contexto, desta imagem, compõe aos poucos uma narrativa que é muito familiar a todos, para evidenciar o poder e a eficácia da palavra de Deus.

«Como a chuva e a neve descem do céu e não voltam para ele sem ter regado ou fecundado a terra, assim sucede com a palavra que sai da boca do Senhor» Is 55,10.

A eficácia da palavra divina é observada desde a Criação do mundo pelo "FAÇA-SE" pelo qual o Criador ordenava vir a existência todas as coisas, e imediatamente do NADA germinava a vida.

O Antigo Testamento é rico em exemplos em que Deus se dirige aos homens através da palavra. Por fim, chegada à plenitude dos tempos, Deus não enviou mais simples palavras aos homens, mas sua PALAVRA eterna, seu VERBO. O Verbo assumiu a natureza humana, fez-se carne e veio semear no coração dos homens palavras de vida eterna, sendo este o tema do Evangelho que Lucas nos apresenta hoje.

Entretanto, diz a parábola, a mesma semente produz, num terreno, frutos abundantes; e em outros, nada produz. Eis aí o significado do mistério da liberdade humana ante os dons de Deus.

Em toda parte Jesus semeia a Palavra: nem ao homem de coração mais endurecido Ele a nega, nem aos soberbos, às prostitutas, aos hipócritas a quem o Senhor comparava aos terrenos pedregosos e cheio de espinhos. O SENHOR a todos generosamente oferece a Boa Nova. Assim como o semeador não faz distinção na terra que lavra, semeando por toda parte, também nós não podemos fazer discriminação, entre o rico e o pobre, o douto e o ignorante, o fervoroso e o preguiçoso, o corajoso e o covarde, o pecador e o santo.

São João Crisóstomo nos diz que «se ao ouvir a Palavra os corações permanecerem ainda endurecidos a culpa não é da Palavra, mas de quem não quis mudar de vida».

Por isso a indiferença não deve desanimar o semeador; deve ele ser sempre persistente. A persistência e a confiança devem caracterizar o apostolado cristão, pois nem sempre a receptividade da mensagem anunciada é vista e sentida. A confiante ação do semeador que espalha, com mãos cheias a semente, interpela o ouvinte para que entendamos que as dificuldades não podem barrar o andamento de um projeto divino.

Esta parábola é tão rica que o próprio Senhor se debruça em explicá-la aos ouvintes após a sua narração. Tecer qualquer outra interpretação seria redundância. De qualquer maneira esta parábola encontra sua contemporaneidade em cada cristão.

«Que vossas palavras Senhor, lancem raízes profundas em nossas vidas, transformando-nos em árvores frutíferas dos dons divinos» (São João Crisóstomo).

Celebrar, pois, os Santos Padres Conciliares, é celebrar a nossa fé cristã em sua genuína pureza e singularidade.


Fonte:

BENOIT, André. A Atualidade dos Pais da Igreja. Porto Alegre: Ed. Aste, 1966.

 
 

Os Santos Concílios Ecumênicos

CONCÍLIO

ANO

PRINCIPAIS DEFINIÇÕES

1º - Nicéia 325 Divindade de Jesus Cristo. Condenação de Ários.
2º - Constantinopla I 381 Divindade do Espírito Santo. Condenação de Macedônio.
3º - Éfeso 431 Maternidade Divina de Maria. Condenação de Nestório. Em Cristo uma Hipóstase, a Divina.
4º - Calcedônia 451 Dualidade da natureza em Jesus Cristo: Condenação de Eutiques, que ensinava o monofisismo.
5º - Constantinopla II 553 Condenou as obras escritas pelos seguidores do herege Nestório.
6º - Constantinopla III 681 Dualidade de Vontades em Jesus Cristo, não contrariadas uma pela outra, mas a vontade humana sujeita à vontade Divina. Condenação do Monotelatismo.
7º - Nicéia II 787 Condenação do Iconoclasmo. Definição da doutrina Ortodoxa das imagens (Ícones).
Voltar à página anterior Topo da página  
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas