O Patriarca Bartolomeu, durante uma visita à ilha de Creta, defendeu o papel de coordenação atribuído ao Patriarcado Ecumênico,  a Igreja- Matriz” e “Mãe amorosa”, dentro da família ortodoxa.

S. S. Bartolomeu I, Patriarca Ecumênico

Na tarde de 3 de outubro, durante uma cerimônia de comemoração do 50ª aniversário de criação da Academia Ortodoxa de Creta, evento que também contou com a presença do Presidente da Grécia, do Patriarca Ortodoxo Grego de Jerusalém, dos Arcebispos de Chipre e da Albânia, bem como como representantes das Igrejas Ortodoxas da Romênia e da Polônia, o Patriarca Ecumênico, dirigindo-se aos participantes, declarou que a Ortodoxia não deve se transformar em um grupo frouxo de Igrejas irremediavelmente dispersas em diferentes lugares.

Aqui estão alguns trechos de seu pronunciamento:

“Se o Patriarcado Ecumênico abandona suas responsabilidades e se retira da cena inter ortodoxa, as outras Igrejas locais serão como ovelhas sem pastor, engajadas em iniciativas eclesiásticas que mesclam a humildade derivada da fé com a arrogância derivada do poder”. “Assim, o papel de coordenação no interior da família pan-ortodoxa é atribuído ao Patriarcado Ecumênico. A Ortodoxia precisa do Patriarcado Ecumênico para que não se torne um agrupamento frouxo de Igrejas irremediavelmente dispersas em diferentes lugares”.

“A responsabilidade do Patriarcado Ecumênico é colocar as coisas em ordem eclesiástica e canônica, pois somente ele tem a prerrogativa e as bênçãos da Igreja como um todo através dos Concílios Ecumênicos para cumprir esta grande obrigação. como a Igreja Mãe-amorosa e a Igreja-matriz dentro da Ortodoxia ”.

“A responsabilidade do Patriarcado Ecumênico é colocar as coisas em ordem eclesiástica e canônica, pois somente ela tem a prerrogativa e as bênçãos da Igreja como um todo através dos Concílios Ecumênicos para cumprir essa grande obrigação como a Igreja Mãe-amorosa e Igreja-matriz da Ortodoxia.”

De heresia a questões jurisdicionais

O Patriarca Ecumênico ressaltou ainda que os desafios enfrentados pela comunidade cristã no primeiro milênio estavam relacionados às heresias, as do segundo milênio à jurisdição. Já as que o terceiro milênio herdou dizem respeito à questão da jurisdição, cuja origem é o “etnofiletismo, ambições expansionistas e a tendência a ignorar as fronteiras de uma jurisdição definida por decretos patriarcais e sinodais”.

“Vivemos em uma época em que todos os aspectos da vida podem ser alterados dramaticamente. É por isso que somos chamados a enfrentar esses novos desafios ”.

“Se não mantivermos nossa unidade, acabaremos totalmente responsáveis ​​por ter transformado a Igreja em uma organização privada”.

Aqueles sem argumentos válidos recorrem à criação de cismas

Resultando de atos humanos, “o cisma é uma solução fácil, que geralmente aqueles sem argumentos válidos eclesiástica e canonicamente recorrem para reivindicar seus direitos e apoiar seus pontos de vista, que muitas vezes não estão embasados nos cânones da Igreja e divergem de seu ethos servindo a outras agendas.”

Segundo o Patriarca, essas pessoas “se separam do corpo da Igreja Ortodoxa quando expressam suas objeções e discordâncias de maneira não eclesiástica”.

Os cismas, as buscas ligadas a interesses individuais, as manobras publicitárias e as tentativas vãs de determinar o que deve ser notícia, não têm lugar na Igreja.”

Finalmente, o Patriarca Bartolomeu visita hoje Atenas, onde será oficialmente reconhecido no Parlamento helênico por seus esforços em relação à proteção ambiental.


Fonte: OrthodoxiaInfo

Compartilhe isso:
 
 

1 comentário

  1. URBANO MEDEIROS - Maestro disse:

    MARAVILHOSO !!!
    OSCULUM PACIS PARA TODOS.

Postar um comentário


 
 
 

Assine Ecclesia NEWS

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Pesquisar

Arquivos