Arcebispo Job de Telmesos com o presente do Papa Francisco. (Foto: Patriarcado Ecumênico)

11 de julho de 2019 — O Arcebispo Job de Telmesos, representante permanente do Patriarcado Ecumênico perante o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), reuniu-se com o WCC News para falar sobre o extraordinário presente que o Papa Francisco (de Roma) lhe deu em 29 de junho último.

WCC News: Que presente o Papa Francisco deu ao Patriarcado Ecumênico de Constantinopla em 29 de junho?

Arcebispo Job: Algo muito especial, precioso e totalmente inesperado! No dia 29 de junho, dia da festa dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo nas igrejas católico-romana e ortodoxa, depois da missa papal, quando fui com Sua Santidade o Papa Francisco rezar diante do túmulo de São Pedro, ele me disse: «Espere por mim depois. Eu tenho um presente para dar à Igreja de Constantinopla. Ocorreu-me ontem à noite durante a oração». Depois de uma breve parada na sacristia, o Papa Francisco me disse: «Vamos». Sentado em seu pequeno e simples Ford, perguntei-lhe: «Santidade, para onde estamos indo?» «Para o palácio papal». Quando chegamos lá, paramos na capela do papa, achei que ele queria me mostrar algo ou parar para fazer uma oração… mas depois ele explicou: «Esta capela foi construída pelo falecido papa Paulo VI. Trouxe para cá algumas relíquias de São Pedro da basílica. Eu não vivo aqui, não uso a capela. Durante a oração na noite passada, eu pensei… estas relíquias sagradas ficariam bem em Constantinopla, no Fanar. Então, aqui as tens; leva contigo e as entregue ao meu irmão, Sua Santidade, o Patriarca Ecumênico Bartolomeu. Este presente não faço eu, mas Deus é quem o faz».

WCC News: E, vê a chegada desse presente como um momento extraordinário da história?

Detalhe do relicário com as relíquias do Apóstolo S. Pedro.

Arcebispo Job: Sim, claro! A chegada deste presente é, sem dúvida, um momento extraordinário na história, uma vez que as relíquias de São Pedro sempre estiveram em Roma, na basílica, e nunca a deixaram. Na verdade, foram descobertas na década de 1950, quando Margherita Guardacci realizou escavações arqueológicas sob a basílica. Ossos foram encontrados em um pequeno nicho perto de uma parede com a inscrição grega: «Petros eni»: «Pedro está aqui». Análises científicas revelaram que os restos pertenciam a um homem que viveu no início do primeiro século, tinha uma forte constituição e morreu em idade avançada. Neles encontraram-se fragmentos de tecido púrpura com fio de ouro, testemunho do respeito ou veneração especial para com a pessoa enterrada. Os resultados das investigações realizadas nos permitiram afirmar que os restos encontrados na Basílica são os de São Pedro, que foi oficialmente anunciado pelo Papa Paulo VI, em 1968. A maioria das relíquias permaneceu no pequeno nicho onde foram enterradas. durante séculos, mas nove fragmentos foram extraídos pelo Papa Paulo VI, que ordenou que fossem colocados em um relicário de bronze e armazenados na capela papal. Só este relicário único foi mostrado ao público em Roma em algumas ocasiões, como em 2013, durante o encerramento do ano da fé. E este é precisamente o relicário que o Papa Francisco deu à Igreja de Constantinopla!

WCC News: Historicamente, de que maneira a data de 29 de junho, a festa de São Pedro e São Paulo, foi marcada como um dia especial entre o Patriarcado Ecumênico e a Santa Sé (de Roma)?

Arcebispo Job: Após a remoção dos anátemas de 1054 entre Roma e Constantinopla, em 1965, o falecido Papa Paulo VI e o falecido Patriarca Ecumênico Athenagoras estabeleceram, em 1969, a tradição de trocar anualmente delegações formais nas respectivas festividades dos fundadores das duas igrejas: na festa de São Pedro e São Paulo, em 29 de junho, em Roma; e na festa de Santo André, no dia 30 de novembro, em Constantinopla. Estas são as festas mais importantes para cada Igreja local. O intercâmbio de delegações é sempre uma ocasião para o encontro fraterno e a troca informal de informações. Esta iniciativa foi o prelúdio para a criação da Comissão Mista Internacional para o Diálogo Teológico entre as duas Igrejas, durante a visita do Papa João Paulo II ao Phanar, em 1979.

WCC News: O que será do presente?

Arcebispo Job: Após sua transferência de Roma para Constantinopla, em 29 de junho, as relíquias de São Pedro foram expostas à veneração dos fiéis durante uma Divina Liturgia solene e presidida por S. S. o Patriarca Ecumênico Bartolomeu, por ocasião da festa da Sinaxe dos Santos Doze Apóstolos, em 30 de junho, na Igreja dos Santos Apóstolos em Feriköy, Istambul. Depois da Liturgia, o relicário foi transferido para a sede do Patriarcado Ecumênico, em Phanar, Istambul, onde ficarão guardadas na Igreja Patriarcal.


Fonte:  WCC News:

 
 

1 comentário

  1. Roberto Belmonte Júnior disse:

    Extraordinário desejo mútuo de unidade proveniente do Espírito Santo.

Postar um comentário


 
 
 

Pesquisar

Arquivos