Dom JEREMIAS de Aspendos
Bispo Eparca da América do Sul

♦ ♦ ♦ 

Ao Reverendo Clero, monges e piedosos fiéis

“A Graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco”!

Chegamos a um dos mais profundos e belos períodos do ciclo eclesiástico anual, a Santa Quaresma. A Igreja nos exorta a ingressarmos neste tempo santo com piedade e devoção. Assim, instituiu a quaresma, não para penalizar o cristão, mas para a sua purificação, corporal e espiritual, para libertar sua alma das paixões, do pecado e de tudo aquilo que preocupa, atrapalha e torna a nossa vida mais penosa.

A Igreja nos chama para o arrependimento e contrição, para que sejamos puros, renovados, fortalecidos pela graça divina e levemos uma vida realmente agradável aos olhos de nosso Pai Celeste. Jesus, nosso Senhor, ensinou-nos a importância do jejum e da oração com o Seu próprio exemplo, quando orou e jejuou durante quarenta dias no deserto.

Sabemos que a Grande Quaresma – a Santa Quarentena, assim chamada, foi instituída pelo Concílio Ecumênico de Nicéia, no ano 325, mas a sua prática é bem mais remota. Santo Irineu, que faleceu no ano 150, escreveu que os primeiros cristãos mantinham rigorosamente a Grande Quaresma e o jejum era um motivo de grande respeito mútuo.São João Crisóstomo diz: “O jejum é o portador de paz para as nossas almas, enfeite da velhice, professor e educador da juventude, diadema e coroa de cada idade e sexo”.

O jejum purifica o coração, ilumina o pensamento, fortifica a vontade, controla o desejo do corpo, apaga o fogo das paixões, e acende a brilhante chama do amor. Com a oração e jejum nós aprendemos a quebrar o desejo do nosso corpo, porque não lhe damos um certo alimento exatamente quando ele o quer, e assim o nosso corpo começa a entender que ele não é o nosso senhor, mas servo, e que tem que se dedicar à nossa alma e não a alma aos nossos desejos carnais. O jejum não apenas serena o nosso corpo, desconta nossas faltas e torna a nossa oração mais agradável a Deus, ele também nos aproxima de Deus. A alma que domina seu corpo é purificada pelo jejum, pode se aproximar mais de Deus.

Nesta quaresma não podemos deixar de lembrar os 7 milhões de vítimas do genocídio artificial ocorrido na Ucrânia entre 1931 e 1933. Todo a Nação ucraniana recorda os 70 anos dessa tragédia do nosso povo, quando morreram de fome milhões de cristãos, intelectuais e inocentes. Que a memória deles seja eterna! Queridos filhos, a Santa Mãe Igreja conclama a todos para o perdão e o entendimento mútuo durante a quaresma, para a renovação de nossa vida espiritual para que haja paz e tranqüilidade em nossos lares, paróquias e Comunidades, e que a nossa alegria seja plena no radiante Dia da Ressurreição de Cristo, para que os nossos atos testemunhem a nossa fé.

Pela Graça de Deus,

†JEREMIAS de Aspendos, Bispo Eparca

 
 

0 comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Postar um comentário


 
 
 

Pesquisar

Arquivos