Juízes integrantes do Tribunal Constitucional da Bulgária

Principal tribunal da Bulgária decidiu que um documento da União Europeia assinado pelo país em 2011 é inconstitucional por considerar “gênero” uma construção social.

O Leste Europeu está definitivamente chutando a ideologia de gênero para fora da região. Depois de Polônia e Hungria, é a vez da Bulgária dizer não às pressões da União Europeia (UE) pela aceitação do conceito de “gênero” como uma construção social. O Tribunal Constitucional do país – equivalente ao nosso Supremo – decidiu por oito votos a quatro que a adesão da Bulgária a um documento da UE relacionado ao combate à violência contra a mulher, assinado em 2011, é inconstitucional. O rechaço não tem nada a ver com um suposto machismo, mas sim com a definição de “gênero” que consta no texto. Aliás, todas as quatro mulheres do tribunal se posicionaram contra o documento da UE.

Os juízes búlgaros declararam em decisão: A definição de gênero como conceito social questiona os limites entre os dois sexos biologicamente determinados, o homem e a mulher.

O tribunal foi acionado por uma aliança entre um grupo de muçulmanos, a Igreja Ortodoxa e parlamentares apoiadores do atual presidente, o conservador Boyko Borisov. Outro trecho que merece destaque no texto dos juízes – e denuncia o quão prejudicial é a ideologia de gênero para as mulheres – diz que “se a sociedade já não diferencia o homem da mulher, a luta contra a violência às mulheres se torna impossível”.


Fonte: Renova Mídia

Compartilhe isso:
 
 

0 comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Postar um comentário


 
 
 

Assine Ecclesia NEWS

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Pesquisar

Arquivos