Arcebispo Job de Telmessos

Em 14 de maio de 2018, fui convidado pela Embaixada da União Europeia junto a Santa Sé para falar em um simpósio organizado em conjunto com o Pontifício Instituto Oriental sobre “A mensagem europeia na Obra de Cirilo e Metódio”. Há quase 40 anos, o Papa João Paulo II proclamou Cirilo e Metódio co-padroeiros da Europa, em sua carta apostólica Egregiae Virtutis, na qual sublinhou que “a Europa como um todo é, por assim dizer, o resultado da ação de duas correntes de tradições cristãs, as quais são adicionadas duas formas diferentes, mas ao mesmo tempo profundamente complementares de cultura“.

Um dos maiores desafios para a Europa hoje é a secularização. Em resposta a esse problema, o Santo e Grande Concílio da Igreja Ortodoxa, convocada na ilha de Creta em 20-26 junho 2016, sublinhou, na sua mensagem que “a re-evangelização do povo de Deus nas sociedades modernas secularizadas e a evangelização daqueles que ainda não chegaram a conhecer a Cristo, continuam a ser uma obrigação incessante para a Igreja.”

Mas, infelizmente, na Europa contemporânea, a secularização não é apenas um problema do distanciamento do homem de Deus, mas também uma ideologia que é transmitida pela política, ciência e sociedade. A questão da evangelização da Europa contemporânea, como nos tempos de Cirilo e Metódio, tem não apenas como finalidade a educação religiosa das pessoas. Evangelização também tem grandes efeitos sobre a sociedade como um todo, em relação a várias questões candentes da nossa Europa contemporânea, tais como: a questão da migração, tráfico de seres humanos, as questões ambientais e a questão da proteção das crianças.

Estes são campos concretos em que as Igrejas cristãs têm não só algo a oferecer para a Europa contemporânea, mas deve ser a sua voz profética. É óbvio para os cristãos do Oriente como do Ocidente que os problemas contemporâneos da Europa só podem ser resolvidos por um reconhecimento e uma referência clara às raízes cristãs da Europa.

O legado de Cirilo e Metódio é uma herança comum de todo o continente europeu, e o seu testemunho pode nos lembrar hoje que o cristianismo teve repercussões positivas não apenas no campo religioso ou eclesiástico, mas nas esferas políticas e culturais, bem como através da sua imensa contribuição à literatura, às artes, à arquitetura, à filosofia, à lei, à ciência, permitindo que a civilização europeia se tornasse o que se tornou. A história de Cirilo e Metódio, definitivamente, pode inspirar a Igreja hoje em sua missão de evangelização, bem como o nosso diálogo teológico tão importante para a restauração da comunhão entre a Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa.

Portanto, a nosso ver, a proclamação dos Santos Cirilo e Metódio como co-patronos da Europa é ainda mais atual hoje do que nunca.

Arcebispo Job de Telmessos


Fonte: Editorial da Newsletter do Patriarcado Ecumênico

 
 

0 comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Postar um comentário


 

 
 

Assine nossa Newsletter

Pesquisar

Arquivos