pedro-e-andreCom um movimento de surpresa, o Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, convocou todos os outros Primados das Igrejas Ortodoxas para uma reunião agendada para março próximo junto à sede patriarcal, com vista para o Corno d’Ouro, para fazer uma observação sobre tempos e modos de trabalho da Comissão instrutora que está preparando o Sínodo panortodoxo, anunciado para o agora não muito distante 2015. Isso foi revelado em um artigo assinado por Nat da Polis e publicado na agência AsiaNews, em que se descreve extraoficialmente também a intenção subjacente que inspira a iniciativa patriarcal: trata-se de «uma tentativa de saída de uma marginalização devida a uma mentalidade localista que tem caracterizado as Igrejas Ortodoxas na era moderna», e também por causa do «filetismo»  (nacionalismo) que marcou a fisionomia de tantas igrejas ortodoxas no último século.

A reportagem é de Gianni Valente, em artigo publicado no sítio Vatican Insider, 07-01-2014. A tradução é de Anete Amorim Pezzini.

CONSTANTINOPLA – assim vem explicada a convocação – pretende recordar às outras Igrejas Ortodoxas que não se pode enfrentar a urgência colocada pela globalização sem iniciativas conjuntas.

Pressionando o acelerador do «Santo e Grande Concílio», Bartolomeu aponta que também pretende reafirmar o seu papel de Primus inter pares entre os Patriarcas Ortodoxos. Há décadas que a Ortodoxia dá sinais de impaciência  sobre a urgência de criar a uma grande assembleia eclesiástica para enfrentar os problemas que afligem a presença ortodoxa no tempo presente. Ao lado do Patriarca Ecumênico, está o Metropolitano de Pergamon, Ioannis Zizioulas, considerado por muitos como o maior teólogo cristão vivo.

Zizioulas lançou há tempos o alarme sobre os riscos de uma «introversão» do mundo ortodoxo. Para ele, a Ortodoxia necessita viver uma experiência sinodal abrangente, comparável àquela que os católicos tiveram com o Concilio Vaticano II, se não deseja fechar-se nos guetos da sua própria automarginalização.

Em seu livro Ortodoxia e Mundo Moderno, Zizioulas escreveu que o maior perigo para a Ortodoxia, e também para todo o mundo cristão, «não é o ateísmo, o poder secular ou, em geral, seus vários inimigos», mas «a fuga da realidade histórica e a contínua busca da própria identidade somente no passado», cultivada em particular pelos homens da Igreja e completamente definida como uma «autocomplacência narcisista que leva a oposições estéreis». Palavras que recordam de maneira singular as investidas sobre perigos de uma Igreja «autorreferencial» várias vezes proposta pelo papa Francisco.

Com efeito, as palavras e os gestos do atual Bispo de Roma parecem mesmo ter provocado reflexos dinâmicos e efeito dominó também no campo ortodoxo. O Patriarca Ecumênico Bartolomeu intuiu num voo as oportunidades operáveis em âmbito ecumênico com o início do novo Pontificado. A sua presença na missa inaugural do ministério petrino de Francisco e o encontro anunciado para o próximo maio entre os sucessores dos irmãos Apóstolos, Pedro e André, em Jerusalém são uma placa de sinalização de uma jornada apenas iniciada, de desenvolvimento ainda não imaginável.

Mas o modus operandi do Papa argentino interpelou com os seus registros inéditos também a Ortodoxia de matriz moscovita. O sinal da cruz e o beijo que Vladimir Putin e o Papa ofereceram em conjunto ao ícone de Nossa Senhora da Ternura, quando o presidente russo visitou o Vaticano, permaneceram gravados no imaginário coletivo dos ortodoxos russos.

Por outro lado, os homens fortes do Patriarcado de Moscou – incluindo Hilarion de Volokolamsk, que também foi recebido pelo Papa Francisco – reiteraram a sua preferência por um diálogo que privilegia como terreno comum a defesa dos valores morais e o sofrimento dos cristãos das comunidades do Oriente Médio, em vez de apontar a extinção do «nó teológico» representado pelo primado petrino.

No final de dezembro, o Sínodo da Igreja Ortodoxa Russa reiterou o seu «niet» ao documento de Ravena, o texto de trabalho produzido pela Comissão teológica mista católico-ortodoxa, pelo qual se tentava configurar uma doutrina teológica do Primado, a qual fosse «sustentável» também pelos ortodoxos.

A relação com o Papa Francisco atua como um catalizador para os jogos jamais concluídos no âmbito ortodoxo entre Moscou e Constantinopla. Mas poderia, com o tempo, fazer emergir também outras contradições que se escondem no seio da Ortodoxia. A imagem do pastor esquecido de si e cheio de zelo apostólico defendida por Bergoglio abre uma brecha de simpatia também entre os fiéis ortodoxos.

Destacam-se as comparações inevitáveis com um alto clero – o das Igrejas Ortodoxas – no qual muitos de seus representantes se comprazem com pose da nomenklatura privilegiada.

Na Rússia, depois dos escândalos dos eclesiásticos que causaram vítimas que guiavam seus fora-de-estrada, está aumentando nos últimos dias a polêmica contra o alegado «lobby gay» que trabalha no seio do Patriarcado de Moscou, denunciado pelo bem conhecido protodiácono – blogger Andrei Kuraev. Uma história que poderia desenvolver-se imprevisivelmente.

Fonte: IHU

Compartilhe isso:
 
 

0 comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Postar um comentário


 
 
 

Assine Ecclesia NEWS

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Pesquisar

Arquivos