Teu Nascimento, ó Cristo Deus,
fez brilhar no mundo a luz do conhecimento.
Nela, os adoradores dos astros
aprenderam de um astro a adorar-te, Sol de Justiça,
e a reconhecer-te como o Oriente vindo do alto.
Senhor, glória a Ti!

(Apolitikion da festa, tom 4º)

«Na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor». (Lc 2:11)

         Como nasce o Filho de Deus e Salvador dos homens? Seus pais não encontram um lugar digno e precisam buscar refúgio em um abrigo para pastores. Esta lição, esta realidade chocante foi, certamente, difícil de ser assimilada pela primeira comunidade cristã, e permanece sendo para nós, homens e mulheres deste século XXI, que transformamos a Natividade do Senhor em uma festa de gastos e ostentação.

         Cristo, ao vir a este mundo, se fez solidário, não daqueles que tem suas mesas cheias, mas dos marginalizados, dos pobres, dos humildes e dos necessitados. Seu nascimento abre ao mundo uma realidade totalmente nova na qual não existem distinções, onde todos são bem-vindos ao reino celestial. Apenas olhando para o ícone desta festa já intuímos o inaudito e o impensável desta nova realidade a que somos chamados: Cristo é a expressão do amor sem medida de Deus, o Pai, que quis que Ele fosse semelhante a nós em tudo, exceto no pecado.

         Com estes pensamentos e daqui do «presépio» de nossa humilde Arquidiocese, desejamos ao nosso amado rebanho espiritual uma bendita Natividade, cheia da luz de Cristo, o Sol sem ocaso.

         Da Arquidiocese, em Buenos Aires, Natividade 2017

CRISTO NASCE, GLORIFIQUEMO-LO!

O ARCHIPASTOR
Suplicante fervoroso perante o Senhor de todos vós,

TARASIOS
Arcebispo Metropolitano de Buenos Aires
Primaz e Exarca da América do Sul

 
 

0 comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Postar um comentário


 
 
 

Assine nossa Newsletter

Pesquisar

Arquivos