Ainda no contexto celebrativo dos 125 anos da Imigração Ucraniana para o Sul do Brasil e dos 25 anos da Independência da Ucrânia, a Editora CRV, de Curitiba-PR, lança o livro do hieromonge Prof.  Dr. Paulo Augusto Tamanini, com Apresentação do Prof. Dr Sérgio Odilon Nadalin (UFPR) e Prefácio da Professora Dra. Maria Bernadete Ramos Flores (UFSC). Fruto de minuciosa pesquisa de tese de doutoramento defendida  na UFSC, o livro trata das comunidades ucranianas estabelecidas em Curitiba, em suas porções ortodoxas e católicas de rito oriental, procurando perceber e identificar, em que medida – e lógica – o espaço sociocultural contribuiu para que os registros do passado étnico-religioso fossem gradativamente, amainados ou renegociados naquela cidade cheia de pressa e modos de viver tão urbanos, após 1960.

São poucas as pesquisas que aprofundam o tema da imigração ucraniana. É por isso que fico tão animado com o livro de Paulo Augusto Tamanini. Sua leitura, e escrever estas linhas, foi uma grata tarefa, pela linguagem cuidadosa – muitas vezes com um viés literário –, pela estruturação do trabalho e, principalmente, pela problematização desenvolvida. De fato, ao historiador das religiões e dos processos étnicos, aparelhado com os procedimentos teórico-metodológicos da História Oral e da História do Tempo Presente, a cidade apresenta-se como um “laboratório”, constituído pelo cotidiano urbano contextualizado por uma época importante do seu desenvolvimento. A história contada por Paulo Augusto tem como fundo o deslocamento dessas fronteiras religiosas para um novo espaço da ucraneidade, renegociada e, de novo, reinventada – propiciada pelo cotidiano no espaço urbano.

Prof. Dr. Sergio Odilon Nadalin
Universidade Federal do Paraná – UFPR

Nesse livro, passamos por uma experiência histórica. Para além de pontuar os conflitos, as demarcações e diferenças religiosas entre grupos de ucranianos em Curitiba, Paulo Augusto Tamanini também nos faz tocar objetos; (…) sentir a alegria da recuperação da memória, da casa, da igreja, no cotidiano de famílias ucranianas, em Curitiba. O autor, com ouvidos sensíveis para a escuta das palavras ditas pelos antigos moradores e acuidade para perceber os enredos, os silêncios, os gestos, as entonações, os semblantes realizou uma fusão entre si e o outro, entre sujeito e objeto, ou melhor, produziu o milagre da união mística entre o sujeito do conhecimento – o historiador – e os homens e as mulheres que fizeram a história dos ucranianos. Irremediavelmente, presenciamos aqui a difícil tarefa de uma escrita da História, que faz sobressair a interface entre o historiador e o passado e que, afinal, produz no leitor a sensação de proximidade, como se estivéssemos juntos, no tempo e nos espaços.

Profª. Dra Maria Bernardete Ramos Flores
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

O autor dedicou a obra a S. Santidade Bartolomeu I, Patriarca Ecumênico de Constantinopla, participando das homenagens pela passagem do 25º aniversário de sua eleição ao Trono Ecumênico ocorrida em 22 de outubro de 2016. Igualmente, é uma homenagem à S. Eminência Rev.ma Dom Tarasios, no contexto celebrativo do 15° aniversário de sua consagração episcopal e nomeação ao trono de Buenos Aires e como Exarca do Patriarcado Ecumênico na América do Sul.

 

 
 

1 comentário

  1. Constantino Comninbos disse:

    Olá Amigo André.
    Como se pode adquirir o seu livro/
    Obrigado. Parabéns. Abraço amigo. Constantino
    Ve se me escreve. Ache algum tempinho. Por favor.

Postar um comentário


 
 
 

Assine nossa Newsletter

Pesquisar

Arquivos